terça-feira, 30 de novembro de 2010

Van Gogh?

\o/ É nóis! \o/

Formspringue.me

Tarot ou a coluna diária do horóscopo na ZH?
Tarot. Muito mais divertido.

Formspringue.me

Ovo de Páscoa ou panettone?
Ovo de páscoa. Chocolate é sempre chocolate.

Formspringue.me

A cura da AIDS ou o amor verdadeiro?
Caralho! (Rá, serve para as duas!)

Formspringue.me

Um elefante por uma semana, ou um cachorro por uma vida?
Ô, pergunta cruel.
Acho que um cachorro por uma vida, pela extensão de tempo mesmo.

Formspringue.me

Noite de insônia pós-vômito. Hora de brincar de questionário:  Derrida ou Beauvoir?
Se eu disser que só conheço eles por apud, tu continua me amando? Sim, eu sou uma farsa. Sempre fui.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Daqui a pouco vai começar a tocar "Então é Natal", na voz da Simone, por toda a parte.
Alguém me tira desse planeta enquanto é tempo, por favor!
Já tenho uma penca de resoluções de ano novo para fazer, e ainda nem acabou novembro.

sábado, 27 de novembro de 2010

People populate the darkness; with ghosts, with gods, with electrons, with tales.

Neil Gaiman

(Via Let's never pretend to be more than we are)

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Aí hoje eu comecei a beber às 16h com Uma Amiga Maravilhosa, e terminanos de beber agora, com mais um Casal de Amigos Maravilhosos. E conversamos muito e rimos mais ainda, e eu cheguei em casa contente.
Acho que isso também se chama amor.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Hoje eu tive um acesso histérico. Comecei brigando aos berros com a minha mãe e terminei chorando no colo dela.
Acho que isso se chama amor.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Minha vó e minha tia morreram em maio desse ano.
A mãe do meu cunhado morreu em setembro do ano passado.
Por alguma razão, hoje me dei conta do enorme vazio em que a gente ficou.
E parei de brigar com a minha tristeza.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

C.L.

Ele foi adoravelmente gentil, me deu um autógrafo e conhece você infinitamente melhor do que eu. O problema dos biógrafos é que eles são intermediários, e eu não quero ninguém entre nós duas.

"O dia corre lá fora à toa e há abismos de silêncio em mim." 
Um sopro de vida
Hoje ganhei de presente uma das histórias de amor mais lindas de que eu já tive notícia, contada por uma mulher de 55 anos que acabou de renovar minha confiança na vida, no Universo e no tudo que há.
Obrigada, querida.

domingo, 14 de novembro de 2010

(Galera dos trinta, confessem: cada vez que vocês leem aquele REM ali em baixa começa a tocar a introdução de Losing my Religion!)

sábado, 13 de novembro de 2010

REM

(Hoje tive um sonho tri legal e acordei um trapo de gente. Vá entender o inconsciente humano!)

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Enquete

Povo amado, o que vocês acham de uma mudança no visual desse blog?
Votos válidos inclusive para anônimos.
Eu tô com gripeeeee!
Eu quero amoooooor!!!!!
Humpfe!

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Adoro isso aqui. Sim, eu sou estranha.



















Depois de uma tabela de classificação de cocô, amiguinhos, uma escala para avaliação da dor. Com erros de português.
Credo! Meu relatório de Saúde do Trabalhador ficou totalmente piegas! Chega a estar melequento e brega.
Roberto Carlos ces't moi.
Não sei porque esse profundo complexo de incompetência, se todo mundo que trabalha comigo me pede para eu ficar.

E - o que é pior! - eu fico.

domingo, 7 de novembro de 2010



















Swinging
Chris Lamprianidis
Como disse o Dalai Lama, as expectativas é que fodem a vida.
...
Tá, o Dalai Lama não disse isso.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Fiz um acordo com o meu corpo: eu cuido bem dele e ele promete não morrer.
Tenho a sensação de que um de nós está sendo enganado.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

\o/ A primeira mulher na presidência do Brasil. \o/

Sim, isso é bom. Sim, isso eu comemoro.
Sei da avalanche de críticas contra o governo Lula - governo esse que a Dilma seguramente vai continuar - não é isso que eu comemoro. Infelizmente entendo muito pouco de política e ainda menos de economia para conseguir discutir e avaliar essas coisas direito. Agradeço a paciência das pessoas que se deram o trabalho de conversar comigo sobre o assunto e, sim, votei na Dilma. Sim, acho que o governo dela será melhor do que seria o do Serra, mas, sim, terá uma infinidade de problemas e defeitos preocupantes. Sim.

Mas não posso deixar de comemorar o fato de que uma mulher chegou à presidência do Brasil. E uma mulher de esquerda, ex-guerrilheira (e não, ex-guerrilheira e assassina não são a mesma coisa para mim, sinto muito), administradora de pulso firme e, até onde eu sei, defensora dos direitos das mulheres (porque deus queira que ela seja, sim, a favor do aborto livre, porque eu sou). Sim, também sei que ela tem uma infinidade de defeitos, que é "uma fera", "uma lutadora" e tantas outras definições positivas e negativas que você quiser dar. Sim, é uma mulher forte e polêmica, e isso tem aspectos bons e ruins como absolutamente tudo nesse mundo. Bem-vind@ à realidade.

Não, não tenho nenhuma ilusão de que o governo Dilma vá ser alguma maravilha da igualdade e liberdade humanas, não tenho nenhuma ilusão de que tudo será melhor e mais harmônico, não tenho nenhuma ilusão de que as injustiças de gênero - e tantas outras - se resolverão. É uma mulher que está assumindo o poder, não um unicórinio rosa. Vai ser uma merda como tantas outras merdas, mas o fato histórico, a conquista, essa, sim, me alegra; nem que seja pelo simbólico da coisa. Porque a gente não se dá conta, mas a maior parte do que é humano se constrói no simbólico.

Por que não Marina então? Sim, gosto da Marina ecologista, mas a Marina ecologista é indissociável da Marina evangélica - evangélica com tudo de ideológico que isso implica - e, não, eu não voto em evangélicos* que perpetuem uma ideologia repressora e retrógrada, que estão virando o carro-chefe dos defensores das desigualdades de gênero e orientação sexual. Não, evangélicos, sejam homens ou mulheres, eu me recuso a apoiar.

Enfim, vim para cá escrever meio a esmo, porque li esse texto, indicado pela Telinha no Twitter dela, e senti a superfeminista se remexendo em algum lugar do porão, então senti vontade de partilhar dessa alegria com as mulheres (e porque não, os homens também) que forem capazes de entendê-la.


* Não, eu não fique completamente analfabeta, eu sei pontuar uma oração adjetiva e torná-la restritiva ou explicativa, o que eu fiz aqui foi simplesmente oferecer aos evangélicos o benefício da dúvida: talvez você seja evangélico de fé, mas não seja uma criatura que reproduz toda a sorte de merda religioso-ideológica como parece que a grande maioria deles faz. That's all.

Agora se vocês me dão licença, a superfeminista vai voltar para o porão, ali do lado da adega, pegar um vinho, se enrolar no edredon e ler alguma escritora latino-americana obscura, enquanto tenta, em vão, continuar ignorando o mundo.