quarta-feira, 30 de março de 2011

Da série Coisas que eu gostaria de ter escrito

"Morreu José de Alencar MacLeod."

Mas quem escreveu foi ela.

sábado, 26 de março de 2011

"Antes eu amava especialmente o seu cheiro. Ela ainda cheirava a frescor: de banho tomado, ou cheiro fresco de lavanda, ou de suor fresco, ou de quem foi amada há pouco. Às vezes usava perfume, não sei qual, e era mais leve do que todos os outros. Por baixo desses cheiros frescos existia ainda um outro, um cheiro pesado, escuro, acre. Frequentemente eu a farejava como um animal curioso, começando pelo pescoço e ombros, que cheiravam como se tivessem acabado de sair do banho, inspirando o cheiro fresco de suor entre os seus seios, misturado com o outro cheiro nas suas axilas, encontrando esse cheiro pesado e escuro quase puro na cintura e na barriga, e entre as pernas numa tonalidade de fruta que me excitava. Também bisbilhotava suas pernas e pés, as coxas, onde o cheiro pesado se perdia, os joelhos, mais uma vez cheirando levemente a suor fresco, e os pés com cheiro de sabonete, ou couro, ou cansaço. As costas e os braços não tinham nenhum perfume especial, não cheiravam a nada e no entanto cheiravam como ela, nas palmas das mãos  havia o perfume do dia e do trabalho: a tinta preta dos bilhetes, o metal do furador, cebola, ou peixe, ou carne assada, água com sabão ou o calor do ferro de passar. Quando lavadas, as mãos a princípio não demonstravam nada disso. Mas o sabão apenas cobria os cheiros e depois de certo tempo eles voltavam, fracos, combinados num único perfume de cotidiano e trabalho, no perfume do fim do dia e do trabalho, da noite, do retorno para casa e do conforto de estar nela."

O Leitor,
Bernhard Schlink

Da Série Diálogos

Atendo o porteiro eletrônico:
- Quem é?
- Sou eu, mãe.
Uma fração de segundo.
- Acho que tu tocou no apartamento errado.
- Ah, é. Desculpe.

Mas naquela fração de segundo ali quase saí correndo e gritando!

O que talvez explique a minha ambiguidade em relação ao casamento

"Num estudo sobre a relação entre a depressão e o amor romântico, o psiquiatra italiano Silvano Arieti concluiu que as mulheres casadas sofrem mais de depressão do que os homens na proporção de dois para um. Nas outras categorias — solteiras, divorciadas e viúvas — as mulheres têm taxas mais baixas que os homens. Ele afirma que entre os fatores sócio-culturais que estão por trás da depressão feminina se encontra o fato de que o objetivo dominante para muitas mulheres não é a busca de um “eu” autêntico, mas a busca do amor romântico."

Regina Navarro Lins

sexta-feira, 25 de março de 2011

"Num mundo hostilizado, gentileza se torna um ato de subversão."
Adoro as paredes do DAP.

quarta-feira, 23 de março de 2011

Aos poucos tô me adaptando à internação da pediatria, às criancinhas doentes e às mudanças de prioridades.

domingo, 20 de março de 2011

Mortais e amantes de mortais: é o que somos e o que nos dilacera.

André Comte-Sponville

domingo, 13 de março de 2011

Talvez a pergunta pareça estranha, mas alguém sabe onde posso comprar uma cama com dossel?

sábado, 12 de março de 2011

Adaptando Byron

Love is friendship with wings.

(But why do people focus only in the wings? Flying is fun but is the friendship that guarantees the safe landing.)
Você não vem aqui, você está longe, você não se importa com quase nada do que me importa. Você não me sente, não me sabe e não me lê.
Você não é quem eu penso que você é, mas eu tenho saudade do você que eu inventei para mim.
Essa não vai para a série Coisas que eu gostaria de ter escrito, porque isso significaria um passado de sofrimento indescritível para as pessoas que eu amo, e isso ninguém quer. Prefiro meus pais com seu esquerdismo moderado, sensato e intacto, suas fugas acadêmicas para a França, seu instinto de sobrevivência acima de qualquer causa. Talvez cause um certo desprezo em quem viveu o horror de verdade. Certamente não é bonito, não é motivo de orgulho, nem foi seriado de TV, mas deixou neles partes íntegras, que de outra forma teriam sido destruídas pela crueldade da ditadura. Eles ainda têm medo, é verdade. Um medo estranho e difuso, entranhado neles de uma forma que não encontra explicações razoáveis. Mas o medo é a maior cicatriz deles, e sei que há outras infinitamente maiores, mais profundas e mais dolorosas marcadas no todo de outras pessoas.

Reproduzo esse texto aqui porque ele me comoveu. Porque me encanta e me toca o quanto a Fal consegue tantas coisas de tantos jeitos, me fazendo rir, me fazendo chorar, me fazendo sentir e entender coisas às vezes delicadas e doces, outras vezes dolorosas e quase impossíveis de imaginar.

"A sala da minha mãe
O que passaram os caras sentados acolá, na sala da minha mãe , você e eu nem podemos imaginar. Com todo nosso discursinho a favor disso e contra aquilo, nossos slogans, nossas eleições cheias de candidatos fabricados, bolinhas de papel, bandeirolas agitadas aqui e ali, meu bem, nossas opinõezinhas sobre Cuba e leite B e uniformes e palavras cujo gênero se inventa, nossos blogs engajadinhos, nossos blogs alienados, nossas aulas medíocres em universidades idem, nossas aulas geniais em todos os cantos, nossa panfletagem rasteira e essa pose de quem está salvando o mundo, nós não fazemos a mais-mínima-porra-ideia. Os caras sentados ali na sala da minha mãe passaram por tudo, mangueiras de alta pressão, celas imundas, espancamenos de verdade, choque elétrico e afogamento. Um deles perdeu um filho, o outro um olho, todos têm cicatrizes e um pavor irracional de serem pegos num comando tolo, desses de sexta-feira, que procura maconheiros e bêbados mimados. Os caras sentados ali na sala da minha mãe tomam remédio pro ácido úrico e pra depressão, pra pressão alta, pra pressão baixa. Eles viram o pior, eles perderam o que havia pra perder e além. Alguns, como meu tio S., ainda acreditam. Alguns, como a minha boa mãe, não crêem em mais nada e torcem a boca de nojo com o discurso de quem ganhou, com o discurso de quem perdeu. Alguns votaram em um, um monte no outro, alguns, não, vários deles, inda sonham com acampamentos ilegais, armas idem e invasões de toda sorte. Eles estão acolá, na sala da minha mãe, rindo alto, vendo fotos antigas, cantando musiquinhas (uma versão em especial, paródia de Quem te viu, quem te vê, do Chico, diz "você era o mais bonito, da escola de cadetes, você era o favorito, pois tocavas clarinete" e por aí vai, engraçadíssima), lembrando dos que morreram na cadeia, na tortura, no exílio. É bonito de ver, é triste também. Minha mãe coça o braço por cima de uma das cicatrizes (não a pior) e faz cara de choro de quando em vez. Eu sei que ela tem pesadelos às vezes, com a cadeia, com as surras, com o outro lado do mundo, embora ela não me conte. Sei, porque pesadelos _ doutra sorte _ me acordam às 3 da manhã, e vou para a sala, e ela já está lá, fumando e chorando junto com alguma ópera bem desgraçada, cheia de tuberculoses e bebês moribundos.
Mas os caras que estão acolá, sentados na sala da minha mãe, uns de tevê, outros de sala de aula, outros da vida, fumam, riem, cantam e enterram seus mortos mais uma vez, sem chorar. Pelo menos, não aqui. Pelo menos, não agora."

Para você ler a Fal, é só clicar aqui.

quarta-feira, 9 de março de 2011

segunda-feira, 7 de março de 2011

Recarregando baterias

Então fomos na pracinha da nossa infância e batemos fotos e rimos e conversamos e passamos o tempo juntos.
Foi um dia feliz.

sábado, 5 de março de 2011

Indisponível para comunicação no momento.
Pela atenção, obrigada.
Bom carnaval a tod@s.
Sim, eu estou bem e continuo amando vocês. Só vou tirar umas férias do mundo.

sexta-feira, 4 de março de 2011

Tenho algumas horas para decidir se entro realmente num projeto de pesquisa ou se largo de vez todos os "extras" da vida acadêmica e vou investir meu pouco tempo livre em outra coisa. Alguém ajuda?

quinta-feira, 3 de março de 2011

Cansada.
Residente hoje fazendo uma videolaparoscopia, cortando e retirando uma amostra tumoral do abdomen da paciente com aquelas pinças complicadas:
- Super Mário Bros!!!!

:-O

Mas confesso que achei engraçado.